A importância da produção artesanal para a qualidade do chá

Publicado 28/10/2022
A importância da produção artesanal para a qualidade do chá

Sempre gosto de começar explicando que a árvore do chá, a Camellia Sinensis, pertence à ordem das gutíferas (erva perene), família das ternstroemiáceae (teáceas), e se diferencia em três variedades principais:

 

  • Camelia Sinensis: Originária da China e também encontrada no Tibete, Japão, Rússia, Irã e Turquia.

 

  • Camelia Sinensis Assâmica: Encontrada principalmente nas regiões que alternam entre a estação das chuvas e a estação secas, como o nordeste da Índia. 

 

  • Camelia Sinensis Cambodiensis ou Lasiocalyx:  Como o nome indica, a variedade é originária do Camboja.

 

Independente da variedade, as árvores de chá são cultivadas em jardins e grandes plantações que geralmente variam entre um e mil hectares, dependendo se a plantação é de um proprietário particular ou uma multinacional. 

 

Pela minha experiência visitando esses jardins e estudando o mundo dos chás, entendo que a coleta das folhas do chá é uma arte de grande importância e requer precisão e método. Por tradição, é uma operação manual assumida frequentemente pelas mulheres, enquanto os homens cuidam do cuidado com as plantações. 



 

A colheita do chá 

A colheita do chá é um processo mais complexo do que parece à primeira vista. Por isso, separei algumas informações importantes sobre os métodos de coleta e os motivos que fazem a colheita manual ainda ser tão necessária. 

 

  • Os melhores chás são podados e colhidos à mão, de forma totalmente artesanal. Dessa forma, a pessoa responsável pela colheita pode analisar e selecionar as melhores folhas, escolhendo um broto e até duas folhas da parte de cima da árvore.

 

 

  • O chá é um produto frágil, e por isso, a colheita acontece dentro de períodos específicos que chamamos de ciclos. Isso acontece para que a gente consiga respeitar o ritmo de regeneração do arbusto, aproximadamente a cada duas semanas entre março e julho.

 

 

  • A coleta das folhas do chá também precisa ser realizada de cima para baixo, já que as folhas que ficam nos galhos mais altos contêm mais teína e tanino. Em outras palavras, oferecem mais energizantes e aquela textura “macia” e aveludada que tanto aprecio em um chá. Isso acontece porque os nutrientes das plantas se concentram nas folhas mais jovens da árvore.

 

 

  • Também considero importante o momento do dia em que se realiza a colheita. As folhas coletadas pela manhã apresentam um teor superior em polifenóis do que folhas colhidas pela tarde, também porque a temperatura é mais amena e fresca do que após o meio-dia. Lembrando que os polifenóis são as propriedades que trazem um efeito antioxidante e anti-inflamatório aos chás.

 

 

Eu sou apaixonado pelo mundo dos chás e a complexidade do processo, a forma como cada etapa é decisiva para o resultado de aroma e sabor, são fatores que considero fascinantes. 

 

Desde o momento em que são colhidas até chegarem à nossa xícara, as folhas de chá passam por diferentes processos, dependendo do tipo de chá que se deseja obter: branco, verde, amarelo, oolong, vermelho e preto. Mas seja qual for o chá, considero o processo artesanal um dos fatores mais fundamentais para se obter um chá de qualidade. 

 

Um processo minucioso que, somado com as características de cada região, possibilita uma infinidade de aromas, cores, sabores e texturas.  Para mim, o chá é como um bom vinho ou um bom azeite: o gosto e a qualidade do produto final dependem de muitos fatores, como clima, altitude, condições climatológicas, método de colheita e de manipulação, combinações, embalagem, transporte e conservação. 

 

 

| Quer saber mais sobre chás premium de alta qualidade? Clique aqui!